Filhos… Filhos? Melhor não tê-los! Mas, se não os temos, como sabê-lo?

Ontem, Patricia e a filha XX tiveram um embate. Não posso citar nome de menores; embora o Governo tenha votado pela maioridade penal, sou contra. XX cismou que só tinha um short que lhe caía bem, mas justamente esse estava de molho no balde. Ao que parece, o estado líquido da veste não era um dado que fizesse a jovem desistir do figurino. A mãe avisou que a infeliz não ia sair vestida de H2O. Como toda adolescente, XX é bocuda e retrucou na lata: tou de Carefree. No toma lá, dá cá, a progenitora também não saía perdendo, tinha feito curso de Direito e era muito boa em argumentação, de modo que, para defender seu ponto de vista, entrou na área da Biologia. Esclareceu que estava ciente de que a perereca era um ser anfíbio, mas apostava cinco contra um que havia grandes chances de a dita-cuja contrair um resfriado. Um absorvente fininho de uso diário, de certo, era proteção insuficiente.

Ocorre que, em algumas partidas, a contagem de pontos não é razoável. Por exemplo, em um jogo de tênis, o primeiro ponto é o 15, o segundo ponto: 30. Até aqui tudo ok, estamos nos múltiplos de 15. E aí vem o terceiro ponto: 40? Que nexo tem? Eram analfabetos matemáticos os inventores do jogo? E o quarto ponto, o que fecha o game, que nem número tem? Por isso que JC sempre diz que só entende competições em que ganha quem chega primeiro. E naquele ringue onde duelavam mãe e filha, ninguém chegava a lugar algum.

Porém, para passar pela porta, a “de menor” precisava ceder um pouco. Analisando friamente a situação, XX recuou um passo e foi, vestida com o tal short aquático, secar os países baixos. Como? Com o secador. E antes que XX testasse como segunda opção a sanduicheira, Patricia entregou os pontos e deixou a filha e o short irem para night.

Contam que uma vez, ao sair do teatro, perguntaram à escritora de folhetins Janete Clair o que ela havia achado da peça. A grande autora de novelas da TV brasileira, muito prática, respondeu: que pena gastar um enredo tão bom em apenas duas horas! Pois a vida imita a arte, ou melhor, as telenovelas. A história tinha mais um capítulo. E no dia seguinte, não foi preciso nem esperar o horário nobre… antes do almoço, a mãe encontrou pedaços de cigarro no bolso do tal short.

Patricia é uma mulher democrática, ela defende que cada um tem direito a sua opção alimentar, política, sexual, religiosa, literária, sexual, e futebolística. Mas fumar não é uma escolha, é uma burrice! Assim, justificadamente iracunda, digitou uma mensagem para XX, que estava na escola, comunicando que a jovem estava de castigo. A criatura respondeu por WhatsApp que o cigarro era da amiga (que não tinha bolso) e que nem deu para fumar, porque estragou no short molhado…

sereia-fumante

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s